sexta-feira, 27 de março de 2009

Live at Pompeii. Disco e Video.

Live at Pompeii:The Director's cut é uma reedição em DVD do filme de 1973 de Adrian Maben "Pink Floyd:Live at Pompeii". O filme apresenta os Pink Floyd atuando num velho anfiteatro em ruínas em Pompeia, Itália, assim como gravações em estúdio e entrevistas à banda, quando da gravação do álbum The dark side of the moon. O 'concerto' foi gravado em 4 e 7 de Outubro de 1971 e apresenta a particularidade de não haver audiência. Também saiu pra album, porém trata-se de um roio.

"Echoes (song)Echoes, Part 1"
"A Saucerful of Secrets"
"Us And ThemUs and Them (Studio)"
"One of These Days"
"Mademoiselle Nobs"
"Brain Damage (Studio)"
"Set the Controls for the Heart of the Sun"
"Echoes (song)Echoes, Part 2"

Relics



Relics é uma compilação editado em 14 de Maio de 1971 no Reino Unido e em 5 de Julho do mesmo ano nos Estados Unidos. Foi reeditado em CD em 1996 com uma capa diferente.
Relics inclui os dois singles de sucesso da era Syd Barrett, até aí nunca editados em álbum, mais uma música de Roger Waters nunca editada ("Biding My Time"), até aí apenas ouvida nos espectáculos ao vivo. Recebeu três estrelas e meia da revista Rolling Stone.

1 "Arnold Layne"2:56 single (1967)
2 "Interstellar Overdrive" 9:43 The Piper at the Gates of Dawn
3 "See Emily Play" 2:53 single (1967)
4 "Remember a Day" 4:29 A Saucerful of Secrets
5 "Paintbox" 3:33 B-Side do single "Apples and Oranges" (1967)
6 "Julia Dream" 2:37 B-Side do single "It Would Be So Nice" (1968)
7 "Careful with That Axe, Eugene" 5:45 B-Side do single "Point Me at the Sky" (1968)
8 "Cirrus Minor" 5:18 Music from the Film More
9 "The Nile Song" 3:25 Music from the Film More
10 "Biding My Time" 5:18 - não lançada previamente -
11 "Bike" 3:21 The Piper at the Gates of Dawn

Is There Anybody Out There? The Wall Live 1980-81


Is There Anybody Out There? The Wall Live 1980-81 é um duplo álbum ao vivo editado no ano 2000.
Este álbum foi gravado por James Guthrie em 1980 e 1981 quando os Pink Floyd tocaram ao vivo o legendário The Wall em Earls Court, Londres. O álbum chegou ao 19º lugar na tabela Billboard 200 e atingiu a platina (1 milhão de cópias vendidas) em maio de 2000 nos Estados Unidos. As apresentações ficaram marcadas pela presença de duas faixas que não tem no disco de estúdio, são elas:"What Shall We Do Now" & "The Last Few Bricks". Recebeu duas estrelas da revista Rolling Stone.

Disco 1
"Master of Ceremonies"
"In The Flesh?"
"The Thin Ice"
"Another Brick In The Wall (Part I)"
"The Happiest Days Of Our Lives"
"Another Brick In The Wall (Part II)"
"Mother"
"Goodbye Blue Sky"
"Empty Spaces"
"What Shall We Do Now"
"Young Lust"
"One Of My Turns"
"Don't Leave Me Now"
"Another Brick In The Wall (Part III)"
"The Last Few Bricks"
"Goodbye Cruel World"

Disco 2
"Hey You"
"Is There Anybody Out There?"
"Nobody Home"
"Vera"
"Bring the Boys Back Home"
"Comfortably Numb"
"The Show Must Go On"
"Master of Ceremonies"
"In The Flesh"
"Run Like Hell"
"Waiting For The Worms"
"Stop"
"The Trial"
"Outside The Wall"

Pulse


O album P•U•L•S•E é um duplo CD ao vivo editado em 1995. O álbum foi gravado durante a tournée de promoção de The division bell na Europa e nos Estados Unidos entre Março e Outubro de 1994. O álbum inclui uma versão ao vivo completa de The Dark Side of the Moon. P•U•L•S•E chegou a nº 1 na tabela da Billboard em Junho de 1995 e foram-lhe atribuídos disco de ouro, platina e dupla platina em 31 de Julho do mesmo ano. A cassete tem duas faixas extra, "One of these days" e 22 minutos de música ambiente.
Desde Julho de 2006, os fãs podem ver, ou rever o show em DVD. Além do show, tem inúmeros videos, fotos e entrevistas inéditas. O som foi remasterizado em Dolby 5.1. Recebeu uma estrela e meia pela revista Rolling Stone.

Disco 1
"Shine on You Crazy Diamond" (Waters/Wright/Gilmour) - 13:34
"Astronomy Domine" (Barrett) - 4:21
"What Do You Want From Me" (Gilmour/Wright/Samson) - 4:09
"Learning to Fly" (Gilmour/Moore/Ezrin/Carin) - 5:16
"Keep Talking" (Gilmour/Wright/Samson) - 6:53
"Coming Back to Life" (Gilmour) - 6:56
"Hey You" (Waters) - 4:39
"A Great Day for Freedom" (Gilmour/Samson) - 4:31
"Sorrow" (Gilmour) - 10:49
"High Hopes" (Gilmour/Samson) - 7:52
"Another Brick in the Wall (Part Two)" (Waters) - 7:08
Disco 2
"Speak to Me" (Mason) - 2:29
"Breathe" (Waters/Gilmour/Wright) - 2:34
"On the Run" (Gilmour/Waters) - 3:48
"Time" (Mason/Waters/Wright/Gilmour) - 6:47
"The Great Gig in the Sky" (Wright) - 5:52
"Money" (Waters) - 8:54
"Us and Them" (Waters/Wright) - 6:58
"Any Colour You Like" (Gilmour/Mason/Wright) - 3:21
"Brain Damage" (Waters) - 3:46
"Eclipse" (Waters) - 2:37
"Wish You Were Here" (Waters/Gilmour) - 6:35
"Comfortably Numb" (Gilmour/Waters) - 9:30
"Run Like Hell" (Gilmour/Waters) - 8:36

The Division Bell


The Division Bell é um álbum editado pelo Pink Floyd em 1994 a (30 de Março no Reino Unido e em 5 de Abril nos Estados Unidos). O tema do disco é a falta de comunicação. O álbum foi gravado em vários estúdios, incluindo o barco-estúdio de David Gilmour chamado “The Astoria”. Chegou a Nº 1 da tabela Billboard 200 em Abril de 1994.
O nome do disco faz alusão ao Division bell (sino da divisão, traduzindo ao pé da letra), recurso usado no parlamemto inglês quando as discussões chegam a ficar tão acaloradas a ponto de niguém escutar mais ninguém. Não há, então, Comunicação, feedback, e esse é justamente um dos temas do disco, a comunicação e a falta dela, o isolamento, a introspecção. Então o sino é tocado para que se organize novamente o debate e as pessoas possam se fazer entender novamente.
No fim de “High hopes” pode ouvir-se o enteado de Gilmour, Charlie a desligar o telefone ao empresário dos Floyd Steve O´Rourke, que tinha pedido para aparecer num álbum dos Pink Floyd. Recebeu duas estrelas da revista Rolling Stone.

"Cluster One" (Wright/Gilmour) - 5:58
"What Do You Want From Me" (Gilmour/Wright/Samson) - 4:21
"Poles Apart" (Gilmour/Wright/Samson/Laird-Clowes) - 7:04
"Marooned" (Wright/Gilmour) - 5:29
"A Great Day for Freedom" (Gilmour/Samson) - 4:17
"Wearing the Inside Out" (Wright/Moore) - 6:49
"Take it Back" (Gilmour/Ezrin/Samson/Laird-Clowes) - 6:12
"Coming Back to Life" (Gilmour) - 6:19
"Keep Talking" (Wright/Gilmour/Samson) - 6:11
"Lost for Words" (Gilmour/Samson) - 5:14
"High Hopes" (Gilmour/Samson) - 8:32

Delicate Sound of Thunder


O album Delicate Sound of Thunder é um duplo álbum ao vivo da era de David Gilmour. Foi editado em CD, e em video cassette em 1988, e inclui 6 faixas de A momentary lapse of reason e 9 de álbuns mais antigos. Recebeu duas estrelas pela revista Rolling Stone. O album foi lançado em 22 de novembro de 1988.

"Shine on You Crazy Diamond"
de Wish you were here
"Learning to Fly"
de A momentary lapse of reason
"Yet Another Movie"
de A momentary lapse of reason
"Round And Around"
de A momentary lapse of reason
"Sorrow"
de A momentary lapse of reason
"The Dogs of War"
de A momentary lapse of reason
"On the Turning Away"
de A momentary lapse of reason
"One of These Days"
de Meddle
"Time"
de The Dark side of the Moon
"Wish You Were Here"
de Wish you were here
"Us and Them"
de The Dark Side of the Moon
"Money"
de The Dark Side of the Moon
"Another Brick in the Wall (Part 2)"
de The wall
"Comfortably Numb"
de The wall
"Run Like Hell"
de The wall

A Momentary Lapse of Reason


A Momentary Lapse of Reason foi o primeiro álbum após o abandono de Roger Waters em 1985. O album foi lançado na Inglaterra em 7 de setembro de 1987.
Com a ajuda dos singles "Learning to Fly" e "On the Turning Away", chegou a Nº 3 de vendas, tanto no Reino Unido como nos Estados Unidos. Foi reeditado em CD para todo o mundo, exceto para a Europa em 1997.
Após a saída de The Final Cut em 1983 os membros da banda seguiram caminhos separados até 1987, altura em que Gilmour tentou reactivar a banda com Nick Mason. Sucede-se então uma áspera disputa legal com Roger Waters, que tinha deixado o grupo em 1985, mas Gilmour e Mason conseguem ganhar o direito legal de editar um álbum com o nome dos Pink Floyd (Waters, contudo, ganhou os direitos a algumas das imagens tradicionais dos Floyd, incluindo a quase totalidade dos personagens de The Wall e todos os direitos sobre The Final Cut). Richard Wright reuniu-se ao grupo durante as gravações de A momentary lapse of reason como músico de estúdio, pago semanalmente. Para todos os efeitos, Wright foi integrado como membro de pleno direito da banda quando do lançamento de The division bell em 1994 e na digressão subsequente.
Este álbum foi muito criticado por ter menos substância que os da era-Roger Waters. Waters referiu-se ao álbum como sendo uma razoável falsificação.
Lançado em 1987 (após a saída do baixista Roger Waters), "A Momentary Lapse of Reason" pode ser considerado uma obra prima. Contando com David Gilmour, Nick Mason, Richard Wright e o excelente baixista Tony Levin, o Pink Floyd provou neste disco que poderia existir sem a presença de Roger Waters. Ao contrário do que algumas pessoas alegam, o álbum é muito inovador (levando-se em conta de que estamos falando do Pink Floyd, e falar que é inovador, é chover no molhado).O disco começa com a excelente instrumental "Signs of Life" passando por "Learnig To Fly" (clássica), indo para a tensa "Dogs of War", e pasando por outras extraordinárias faixas como "On The Turning Away", "New Machine" entre outras e finalizando com a muitíssimo bem executada "Sorrow". A banda parecia mais leve e descontraída sem a presença de Waters,. David Gilmour é um ótimo líder e soube muito bem conduzir o destino da banda.
Todas as músicas compostas por David Gilmour, exceto onde estiver indicado.Todos os vocais por David Gilmour, exceto a voz em "Signs of Life", por Nick Mason.
"Signs of Life" (David Gilmour, Bob Ezrin) – 4:24
"Learning to Fly" (Gilmour, Anthony Moore, Ezrin, Jon Carin) – 4:53
"The Dogs of War" (Gilmour, Moore) – 6:05
"One Slip" (Gilmour, Phil Manzanera) – 5:10
"On the Turning Away" (Gilmour, Moore) – 5:42
"Yet Another Movie" (Gilmour, Patrick Leonard) / "Round and Around" – 7:28
"A New Machine (Part 1)" – 1:46
"Terminal Frost" – 6:17
"A New Machine (Part 2)" – 0:38
"Sorrow" – 8:46

The Final Cut


O album The Final Cut foi gravado em vários estúdios do Reino Unido entre Julho e Dezembro de 1982.
O LP foi editado no Reino Unido em 21 de Março de 1983 e nos Estados Unidos em 2 de Abril. The Final Cut chegou a Nº 1 de vendas nas tabelas do Reino Unido e a Nº 6 nos Estados Unidos. Em 23 de Maio de 1983, The Final Cut chegou a disco de ouro e platina e em 31 de Janeiro de 1997 atingiu a dupla platina.
Originalmente agendado para ser a banda sonora do filme da banda "The Wall", evoluiu para se tornar em mais um álbum conceitual, marchando contra a guerra e com o subtítulo de "A requiem for the post war dream" ("uma elegia para o sonho do pós-guerra").
O álbum parece ser divido em duas histórias separadas que se intercalam.
Uma parece ser a visão de Waters sobre os problemas do mundo actual (faixas 1, 5, 7, 9, 11, 12), muitas destas são sobre a Guerra das Malvinas e condenam Margaret Thatcher, Ronald Reagan e Menahem Begin, entre outros. Waters expõe também a sua visão do mundo e termina o álbum com um holocausto nuclear que ele teme poder vir a acontecer.
Há também uma pequena história sobre a paranóia de um veterano da II Guerra Mundial (faixas 2, 4, 6 e 10) presumivelmente por ter estado envolvido no bombardeamento a Dresden. As canções também reportam as memórias de Waters sobre a guerra (Your possible pasts), culpando a escola pelos seus problemas (One of the Few, The Hero's Return), lamentando a sua vida (Paranoid eyes) e chegando quase ao suicídio (The final cut).
“Not now John” foi editado em single (sendo o verso “fuck all that” dobrado para “stuff all that” e tendo no lado 2 uma versão mais comprida de “The Hero's Return”. Foi também feito um vídeo EP para acompanhamento de quatro das canções do álbum e realizado pelo (na altura) cunhado de Waters.
Em 1986, o álbum foi editado em CD. Em 1994 foi reeditado com nova mistura digital. Para comemorar o 21º aniversário do lançamento foi editado em 19 de Março de 2004 com nova mistura e nova embalagem, contendo a faixa “When the tigers broke free”, anteriormente apenas acessível em single ou na banda sonora do Filme “The Wall”.
Com certeza um dos melhores disco da banda, aqui Roger Waters mostra a sua genialidade produzindo, quase que sozinho, esta fenomenal obra de arte. Não podemos considerar um disco de fácil absorção, muitas vezes ele só é bem compreendido depois de "bem" escutado.

No álbum original

"The Post War Dream" - 3:02
"Your Possible Pasts" - 4:22
"One of the Few" - 1:23
"The Hero's Return" - 2:56
"The Gunner's Dream" - 5:07
"Paranoid Eyes" - 3:40
"Get Your Filthy Hands Off My Desert" - 1:19
"The Fletcher Memorial Home" - 4:11
"Southampton Dock" - 2:13
"The Final Cut" - 4:46
"Not Now John" - 5:01
"Two Suns in the Sunset" - 5:14

Na reedição de 2004

"The Post War Dream" - 3:00
"Your Possible Pasts" - 4:26
"One of the Few" - 1:11
"When the Tigers Broke Free" - 3:16
"The Hero's Return" - 2:43
"The Gunner's Dream" - 5:18
"Paranoid Eyes" - 3:41
"Get Your Filthy Hands Off My Desert" - 1:17
"The Fletcher Memorial Home" - 4:12
"Southampton Dock" - 2:10
"The Final Cut" - 4:45
"Not Now John" - 4:56
"Two Suns in the Sunset" - 5:23

The Wall


O grandioso album The Wall foi aclamado por críticos e fãs como um dos melhores álbuns dos Pink Floyd (juntamente com Dark Side of the Moon e Wish You Were Here), é conhecido como sendo um clássico do rock, e as suas canções inspiraram muitos dos músicos rock contemporâneos.
A inspiração de Roger Waters para a criação do álbum apareceu-lhe durante um concerto da digressão de Animals em 1977. Em Montreal, Quebec, Waters cuspiu na cara de um fã que estava a ter um comportamento perturbador. De imediato, repugnado com o acto que tinha cometido, surgiu-lhe a ideia de construir um muro entre si e o público, ideia essa desenvolvida mais tarde para a produção de "The Wall".
O álbum foi galardoado com platina 23 vezes e é o 3º álbum mais vendido de sempre nos Estados Unidos e chegou a Nº 1 nas tabelas da Billboard em 1980. "The Wall" foi reeditado em CD em 1994 no Reino Unido e em 1997 no resto do mundo. No ano 2000, por ocasião do 20º aniversário do seu lançamento, foi novamente reeditado.
Em 1998 os leitores da Q magazine votaram em The Wall como o 65º melhor álbum de todos os tempos e em uma enquete similar em 2003, leitores da Rolling Stone o escolheram como o 87º melhor álbum de todos os tempos.
O conceito do álbum, tal como a maioria das músicas, pertence a Roger Waters. A história retrata em ficção a vida de um anti-herói ("Pink") que é martelado e espancado pela sociedade desde os primeiros dias da sua vida: sufocado pela mãe, oprimido na escola, ele constrói um muro em sua consciência para dividir ele da sociedade, e refugia-se num mundo de fantasia que criou para si. Durante uma alucinação provocada pela droga, Pink transforma-se num ditador fascista apenas para que a sua consciência rebelde o ponha em tribunal, onde seu juiz interior ordena-lhe que mande abaixo o seu próprio muro e se abra para o mundo exterior.
Durante as gravações, Richard Wright foi despedido da banda, mas continuou tocando nos concertos ao vivo como um músico pago.
O álbum foi gravado em quatro estúdios. Um em Nova Iorque (CBS Studios), um em Los Angeles (Producers Workshop) onde o álbum também foi mixado e dois no sul da França (Super Bear and Miravel). As mudanças de um estúdio para outro foram resultado de problemas financeiros da banda, problemas estes que acabaram por influenciar a produção da obra. Na época, o executivo da banda Norton Warburg gastou milhões em dinheiro recolhido pela banda em 1973 e 1977 e abandonou a banda quase falida. Por isso eles tiveram que gravar na França.
Por todo o mundo o álbum produziu uma série de singles de sucesso, incluindo: The Happiest Days of Our Lives, Another Brick In The Wall (Parte II), Mother, Empty Spaces, Young Lust e Comfortably Numb.
Para Another Brick in the Wall (Parte II), o Pink Floyd precisava de um grupo coral estudantil, eles então foram até Alun Renshaw, professor da Islington Green School, que ficava perto da Britannia Row Studios. Chegaram no meio de uma aula e fizeram o convite. O coro foi gravar, mas impedidos de escutar o resto da música depois de cantarem, o que os decepcionou, já que eles gostariam de ouvir o solo de Gilmour. A voz do grupo coral foi sobreposta doze vezes para dar a impressão que havia mais gente cantando. Apesar do colégio receber um pagamento de mil libras, não houve operações contratuais para royalties. Pela lei de copyright de 1996, o coro ficou elegível a ganhar royalities. Os alunos foram reunidos por um site da internet e processaram a banda. Especialistas dizem que cada aluno ganhou o equivalente a quinhentas libras e uma cópia do disco The Wall.

Concertos

O Pink Floyd apenas tocaram The Wall em concerto em Nova Iorque, Los Angeles, Londres, e Dortmund.
As actuações incluíam pequenos filmes animados de Gerald Scarfe projetados em uma área circular atrás de um muro gigante construído para o show. Também havia gigantescas marionetas dos desenhos.
Os grandes palcos dos espectáculos exigiam enormes equipamentos (incluindo guindastes) e custavam muito dinheiro. Por isso a banda perdeu muito dinheiro na realização dos espectáculos, à excepção de Wright, que entretanto tinha sido contratado para os espectáculos.

Filme

O Pink Floyd apenas tocaram The Wall em concerto em Nova Iorque, Los Angeles, Londres, e Dortmund.
As actuações incluíam pequenos filmes animados de Gerald Scarfe projetados em uma área circular atrás de um muro gigante construído para o show. Também havia gigantescas marionetas dos desenhos.
Os grandes palcos dos espectáculos exigiam enormes equipamentos (incluindo guindastes) e custavam muito dinheiro. Por isso a banda perdeu muito dinheiro na realização dos espectáculos, à excepção de Wright, que entretanto tinha sido contratado para os espectáculos.

Palco

Em 2004 foi anunciado que haviam sido assinados contratos para a realização de um musical na Broadway, indo Waters escrever novas músicas. O musical conterá todas as músicas escritas por Waters para o álbum. No entanto, desconhece-se o que acontecerá com as músicas escritas em conjunto com David Gilmour (Young lust, Confortably numb e Run like hell). Prevê-se que o espectáculo esteja pronto em 2006 e será mais "leve" que a versão do cinema. Há também rumores que outras músicas da banda, possivelmente Money do álbum Dark Side of the Moon entre outras, serão incluídas no musical.

Separação

Após Waters ter deixado o grupo seguiu-se uma batalha jurídica sobre quem tinha os direitos sobre o nome "Pink Floyd". Waters ganhou os direitos sobre The Wall sendo seu nome mais associado com o álbum. Waters levou ao palco um gigantesco espectáculo de "The Wall" em Berlim em 21 de Julho de 1990 com vários artistas convidados tais como: Van Morrison, Sinead O'Connor, Cyndi Lauper, The Scorpions, Jerry Hall, e Bryan Adams, para comemorar a queda do Muro de Berlim e para angariar fundos para o for World War Memorial Fund for Disaster Relief.
No concerto britânico Live 8 em 2 Julho 2005, apesar do desentendimento entre os ex-membros da banda, Waters tocou com Gilmour, Mason e Wright pela primeira vez em aproximandamente 23 anos. Eles tocaram "Breathe", "Money", "Mother", "Wish You Were Here" e "Comfortably Numb".




CD 2
"Hey You" 4:40
"Is There Anybody Out There?" 2:44
"Nobody Home" 3:26
"Vera" 1:35
"Bring the Boys Back Home" 1:21
"Comfortably Numb" Gilmour, Waters 6:24

"The Show Must Go On" 1:36
"In the Flesh" 4:13
"Run Like Hell" Gilmour, Waters 4:19
"Waiting for the Worms" 4:04
"Stop" 0:30
"The Trial" Bob Ezrin, Waters 5:13
"Outside the Wall" 1:41

Animals


O grande album Animals foi gravado no estúdio da banda Britannia Row Studios em Londres e editado em 23 de Janeiro 1977 no Reino Unido e em 2 de Fevereiro de 1977 nos Estados Unidos. É um álbum conceptual, que faz lembrar o famoso livro de George Orwell O Triunfo dos Porcos (Portugal) A Revolução dos Bichos (Brasil) (Animal Farm no original). Uma nova mistura digital CD foi editada em 1994 no Reino Unido e em 1997 nos Estados Unidos, onde foi reeditado em 25 de Abril de 2000. Animals atingiu o 3º lugar nas tabelas da Billboard em 1977 chegando a disco de ouro em 12 de Fevereiro de 1977 e disco de platina em 10 de Março do mesmo ano. Vendeu 4 milhões de cópias até à data nos Estados Unidos e 7 milhões no mundo inteiro e é presentemente listado como quádrupla platina pela RIAA.
Ao longo das três músicas principais, todas elas com mais de 10 minutos de duração Roger Waters equivale os humanos a cada uma das três espécies de animais: cães (Dogs), porcos (Pigs), ou carneiros (Sheep). Os cães são usados para representar os homens de negócios megalomaníacos que acabam por serem arrastados pela própria pedra que atiraram. Os porcos representam os políticos corruptos e os moralistas (com referências directas a Margaret Thatcher e a Mary Whitehouse). Os que não se enquadram nestas duas categorias são carneiros, que sem pensamento próprio, cegamente seguem um líder.
As três faixas centrais são "limitadas" por um par de canções de amor escritas por Waters para a sua mulher na época, Caroline: "Pigs on the Wing" partes 1 e 2. A mesagem destas duas músicas é de que enquanto duas pessoas se amarem, podem proteger-se dos males do mundo referidos nas três músicas do meio. Waters refere-se a si mesmo como sendo um cão na segunda parte da música. Na edição de 8 faixas em cartridge as duas faixas foram ligadas por uma parte de guitarra tocada por Snowy White. A Frog Brigade de Lee Claypool gravou o álbum inteiro em alguns concertos tendo eventualmente editado um álbum a partir dessas gravações.
O porco gigante cheio de hélio que aparece na foto da capa do álbum que foi posto a voar sobre a central eléctrica de Battersea para a fotografia, ter-se-á supostamente solto. As fotos resultantes não foram julgadas adequadas, pelo que a imagem final foi criada na câmera escura.

"Pigs On The Wing" (Part 1) (Waters) – 1:25
"Dogs" (Waters, Gilmour) – 17:08
"Pigs (Three Different Ones)" (Waters) – 11:28
"Sheep" (Waters) – 10:20
"Pigs on the Wing (part 2)" (Waters) – 1:25

Wish You Were Here


O excelente album Wish You Were Here foi lançado no dia 15 de setembro de1975.
O álbum fala sobre a ausência e em duas das suas faixas ("Welcome to the Machine" e "Have a Cigar") sobre os aspectos negativos da indústria musical. O álbum é mais melancólico que os anteriores, no entanto tem algumas notas de optimismo e alegria aqui e ali. Diz-se que a faixa que dá título ao álbum "Wish You Were Here" fala sobre o que eles pensavam ser o desmoronamento da banda enquanto tal, e é também um tributo a Syd Barrett. "Shine On You Crazy Diamond" é uma peça dividida em nove partes e uma homenagem a Syd Barrett cuja doença mental tornou impossível a sua continuidade como membro da banda. A peça começa e encerra o álbum (as partes 1 a 5 abrem e as partes 6 a 9, fecham-no). Foi reeditado com nova mistura digital em 1994 no Reino Unido e em 1997 nos Estados Unidos e no resto do mundo. Foi também reeditado em 2000 aquando da comemoração do seu 25º aniversário.
Wish You Were Here atingiu o nº 1 nas tabelas da Billboard vendendo até à data mais de seis milhões de cópias só nos Estados Unidos, onde foi recebeu o disco de ouro em 17 de Setembro de 1975 e como sêxtupla platina em 16 de Maio de 1997 pela RIAA. No mundo inteiro vendeu mais de 13 milhões cópias.
A qualidade musical do álbum é tão grande que alguns dos fãs da banda o consideram superior aos álbuns The Dark Side of the Moon e The Wall. Recebeu a avaliação máxima da revista Rolling Stone.


"Shine On You Crazy Diamond" (Pts. 1-5) (David Gilmour/ Roger Waters/ Rick Wright) – 13:33
"Welcome to the Machine" (Roger Waters) – 7:26
"Have a Cigar" (Waters) – 5:07
"Wish You Were Here" (Gilmour/ Waters) – 5:40
"Shine On You Crazy Diamond" (Pts. 6-9) (Gilmour/ Waters/ Wright) – 12:21

Dar Side of the Moon


Dark Side of the Moon é um álbum conceitual de 1973 que fala sobre as pressões da vida, como tempo, dinheiro, guerra, loucura e morte.
É considerado por muitos fãs dos Pink Floyd como sendo a obra prima da banda, ultrapassando mesmo The Wall. O álbum foi um marco do rock progressivo com músicas que "passavam" bem nas rádios, tais como "Money", "Time", e "Us and them". O álbum é uma ponte entre o blues rock clássico e a nova (na altura) música electrónica. No entanto são os tons mais suaves e as nuances líricas e musicais que fazem com que este álbum seja uma obra à parte.
The dark side of the moon é o terceiro álbum mais vendido de todos os tempos no mundo inteiro. Atingiu o primeiro lugar no Billboard 200 e também no Billboard Pop Catalog Chart, tendo o híbrido SACD editado em 2003 atingido o mesmo feito.
Estima-se que 1 em cada 14 pessoas com menos de 50 anos, nos EUA tenha uma cópia deste álbum.
O tema de Dark Side of the Moon terá sido em parte precipitado pela saída de Syd Barrett um dos membros fundadores dos Pink Floyd.
O álbum contém alguns dos mais complicados usos dos instrumentos e efeitos sonoros existentes à época, incluindo o som de alguém correndo à volta de um microfone e a gravação de múltiplos relógios a tocar ao mesmo tempo. Uma versão quadrifónica, foi também editada com novas misturas. Durante as gravações os Pink Floyd desenvolveram novos efeitos tais como gravações em duas pistas das vozes e guitarras (permitindo a David Gilmour harmonizar consigo próprio impecavelmente), vozes dobradas e efeitos estranhos com ecos e separação dos sons entre os canais. Até hoje, Dark Side of the Moon é uma referência para os audiófilos que o usam para testar a fidelidade, dos equipamentos de áudio.
Outra característica do álbum são os trechos de diálogos entre as faixas. Os Pink Floyd entrevistaram várias pessoas, perguntando-lhes coisas relacionadas com os temas centrais do álbum, como a violência e a morte. O roadie "Roger The Hat" aparece em mais que uma (give "em a quick, short, sharp, shock...", "live for today, gone tomorrow, that's me..."). A frase no fim do álbum "there is no dark side of the moon really... matter of fact it is all dark" é do porteiro do estúdio Abbey Road, o irlandês Jerry Driscoll. Paul McCartney foi também entrevistado mas as suas respostas foram consideradas demasiadamente cautelosas para serem incluídas
Nos EUA, Dark Side of the Moon é o 18º álbum mais vendido de sempre, tendo permanecido 740 semanas nas tabelas da Billboard magazine, tendo no seu período mais longo permanecido 591 semanas consecutivas. O álbum chegou a Nº 1 nos EUA, Bélgica e França, até em 2002, 30 anos após o seu lançamento, foram vendidas nos EUA mais de 400.000 cópias, fazendo do álbum o 200º mais vendido desse ano. Em 2003 mais de 800.000 cópias do híbrido SACD de Dark Side of the Moon foram vendidas apenas nos EUA. "Time", "Money", e "Us and them" foram bastante tocadas nas rádios (sendo o single "Money" um sucesso de vendas também).
Dark Side of the Moon foi editado em "Super Audio Compact Disc" (SACD), com uma mistura de som surround 5.1 DSD a partir das fitas de estúdio de 16 faixas, por ocasião do 30º aniversário do seu lançamento. Tornou-se algo surpreendente o facto de James Guthrie ter sido chamado para fazer a mistura do SACD em vez de Alan Parsons, engenheiro do LP original. Esta edição do 30º aniversário ganhou 4 prémios do "Surround Music Awards" de 2003. Recebeu cinco estrelas (máxima) da revista Rolling Stone.

Wizard of Oz

Quando o álbum é tocado simultaneamente com o filme de 1939 The Wizard of Oz (O Mágico de Oz, no Brasil) ocorrem algumas correspondências entre o filme e o álbum. Por exemplo o som da caixa registadora no princípio de “Money” aparece exactamente quando Dorothy pisa pela primeira vez a estrada dos tijolos amarelos, que é também o momento em que o filme passa de preto e branco para cores; no momento em que a bruxa má aparece é tocada a palavra black, a bater de coração no fim do álbum ocorre quando Dorothy tenta ouvir o coração do homem de lata; no momento que Dorothy encontra Oz, entra a música Us and Them, soando Us como Oz bem quando aparece a 1a imagem de Oz; quando Dorothy está na fazenda e ela olha para o alto, no audio surge barulho de avião, e muito mais. A banda insiste que isso são puras coincidências.
Quando este facto começou a vir a público em 1997, despoletou um enorme interesse neste fenómeno. Uma pequena comunidade espalhou-se à volta de vários 'sites' para explorar melhor esta ideia. Quer as correspondências sejam verdadeiras ou imaginadas, alguns fãs do álbum gostam de ver "Dark side of the rainbow", como é chamada muitas vezes esta combinação. A sincronização é conseguida fazendo pausa (de preferência a versão em CD) mesmo no principio e parando a pausa quando o leão da MGM ruge pela terceira vez. Os membros dos Pink Floyd desmentem qualquer relação entre o álbum e o filme num MTV especial sobre o grupo em 2002. Eles afirmam que não poderia esta relação ser planeada por não poderem reproduzir o filme no estúdio, visto na altura não existirem ainda os videogravadores.

"Speak to Me" (Nick Mason) – 1:13
Instrumental
"Breathe" (David Gilmour, Roger Waters, Rick Wright) – 2:46
Vocais: David Gilmour
"On the Run" (Gilmour, Waters) – 3:35
Instrumental
"Time/Breathe (Reprise)" (Gilmour, Mason, Waters, Wright) – 7:04
Vocais: David Gilmour e Rick Wright
"The Great Gig in the Sky" (Wright, Clare Torry) – 4:48
Vocais: Torry
"Money" (Waters) – 6:24
Vocais: David Gilmour
"Us and Them" (Waters, Wright) – 7:49
Vocais: David Gilmour e Rick Wright
"Any Colour You Like" (Gilmour, Mason, Wright) – 3:26
Instrumental
"Brain Damage" (Waters) – 3:50
Vocais: Roger Waters
"Eclipse" (Waters) – 2:04
Vocais: David Gilmour e Roger Waters


Obscured by Clouds


O album intitulado Obscured by Clouds é um álbum baseado na banda sonora para o filme françês La Vallée. O LP foi editado no Reino Unido em 3 de Junho de 1972 e nos Estados Unidos em 15 de Junho. O álbum o Nº 5 de vendas no Reino Unido e o Nº 46 nos Estados Unidos, onde foi galardoado com disco de ouro pela RIAA em Março de 1994.
Em 1986 o álbum foi editado em CD. Em Março de 1996 no Reino Unido e em Agosto de 1996 nos Estados Unidos foi editado com nova mistura digital. O album recebeu duas estrelas da revista Rolling Stone. Ficando na 46º posição na bilboard de 1972.

"Obscured by Clouds" (David Gilmour, Roger Waters) – 3:03
Instrumental
"When You're In" (Gilmour, Mason, Waters, Wright) – 2:30
Instrumental
"Burning Bridges" (Wright, Waters) – 3:29
Vocais: Gilmour, Wright
"The Gold It's in the..." (Gilmour, Waters) – 3:07
Vocais: Gilmour
"Wot's... Uh The Deal" (Gilmour, Waters) – 5:08
Vocais: Gilmour
"Mudmen" (Gilmour, Wright) – 4:20
Instrumental
"Childhood's End" (Gilmour) – 4:31
Vocais: Gilmour
"Free Four" (Waters) – 4:15
Vocais: Waters
"Stay" (Wright, Waters) – 4:05
Vocais: Wright
"Absolutely Curtains" (Gilmour, Mason, Waters, Wright) – 5:52
Instrumental

Meddle


O grande album Meddle é um álbum conceitual de 1971. Foi gravado em várias ocasiões entre Janeiro e Agosto de 1971, editado nos Estados Unidos em 30 de Outubro de 1971 e no Reino Unido em Novembro do mesmo ano. Meddle chegou a disco de ouro em Outubro de 1973 e a disco de platina e dupla platina em Março de 1994. Um CD com nova mistura foi editado em 1994 na Europa e em 1995 nos Estados Unidos.

Embora existam no álbum variadas melodias, “Meddle” é considerado um álbum mais coeso do que o seu antecessor Atom Heart Mother (1970). As duas primeiras músicas seguem uma à outra através de um efeito sonoro de vento, um estilo que voltaria em álbuns posteriores Dark Side of the Moon, de 1973, e Wish You Were Here, de 1975. “Meddle” tem também a interessante distinção de conter as duas músicas normalmente consideradas como a melhor e a pior produção do Pink Floyd (“Echoes “ e “Seamus” respectivamente). Teve um sucesso comercial bastante bom, chegando ao 3º lugar de vendas no Reino Unido atingido a dupla platina nos Estados Unidos em 1994.
No final da música 3 do álbum, "Fearless", ouvimos a torcida do Liverpool cantando "You´ll never walk alone", que mais tarde seria adotada como hino do clube inglês.
A última música do álbum, "Echoes", tem a uma sincronia temática com a parte final do filme de Stanley Kubrick de 1968 2001: Uma odisséia no espaço (2001 – A space odyssey no original) Chamada “Jupiter and beyond the Infinite”. “Echoes também deu nome a uma compilação dos Pink Floyd editada em 2001, a qual inclui algumas versões editadas do álbum e “One of these days”.
Em “One of These Days” é usada uma guitarra havaiana (slide guitar, ou lap steel guitar) por David Gilmour e inclui um trecho do tema de Doctor Who.

"Meddle está entre os meus favoritos. Para mim foi o princípio da caminhada dos Pink Floyd"
- David Gilmour – Rádio Australiana, Fevereiro de 1988.


1. "One of These Days" David Gilmour, Nick Mason, Roger Waters, Rick Wright instrumental
5:57
2. "A Pillow of Winds" Gilmour, Waters (vocais de Gilmour) 5:10
3. "Fearless" Gilmour, Waters (vocasi de Gilmour) 6:08
4. "San Tropez" Waters (vocais de Waters) 3:43
5. "Seamus" Gilmour, Mason, Waters, Wright (vocais de Gilmour) 2:15
6. "Echoes" Gilmour, Mason, Waters, Wright (vocais de Gilmour, Wright) 23:29

Atom Heart Mother


O grande album Atom Heart Mother Foi gravado nos Abbey Road Studios, Londres. O álbum chegou a Nº 1 de vendas no Reino Unido e a Nº 55 nos EUA, onde chegou a disco de ouro em Março de 1994. Foi editado em CD com nova mistura em 1994 no Reino Unido e em 1995 nos EUA.
A capa do disco é uma das mais enigmáticas da história da música. O bovino mais famoso do rock mundial aparece tanto no vinil, quanto no CD. A rês Lullubelle III, uma cruza das raças holandesa e normanda (ao contrário de suas colegas da contracapa, puramente holandesas), foi fotografada em uma propriedade rural do interior da Inglaterra. A gravadora pagou ao dono da propriedade cerca de mil libras pelos “direitos de imagem” do animal. A propriedade virou ponto turístico, e Lullubelle, uma celebridade do showbusiness mundial. Recebeu três estrelas da Revista Rolling Stone.
As duas faixas mais longas são uma progressão de anteriores peças instrumentais dos Pink Floyd tais como "A Saucerful of Secrets"; A primeira é dividida em seis partes e é tocada com uma orquestra completa e a segunda é um instrumental em três partes com efeitos sonoros e diálogos entre cada parte.

Lado A
1. "Atom Heart Mother"
"Father's Shout"
"Breast Milky"
"Mother Fore"
"Funky Dung"
"Mind Your Throats, Please"
"Remergence"
David Gilmour, Nick Mason, Roger Waters, Rick Wright, Ron Geesin 23:44
Lado B
1. "If" Roger Waters 4:30
2. "Summer '68" Rick Wright 5:28
3. "Fat Old Sun" David Gilmour 5:23
4. "Alan's Psychedelic Breakfast"
"Rise and Shine"
"Sunny Side Up"
"Morning Glory"
David Gilmour, Nick Mason, Roger Waters, Rick Wright 13:00

Ummagumma


O surpreendente e psicodélico album intitulado Ummagumma, é um álbum duplo, gravado em 1969, sendo o primeiro álbum gravado ao vivo e o segundo em estúdio.
Um dos álbuns foi gravado ao vivo no Mothers Club Birmingham em 27 de Abril, de 1969, e na semana seguinte no Manchester College of Commerce em 2 de Maio. O outro, inclui quatro segmentos solo, um por cada membro do grupo, gravado em estúdio. Recebeu quatro estrelas e meia pela revista Rolling Stone.
Mostrou que a nova fórmula de rock mais britânica era essencialmente capaz de suster mais aproximações experimentais à música popular, mantendo as vendas num patamar aceitável.
O álbum foi lançado no Reino Unido em 25 de Outubro de 1969 e nos EUA em 10 de Novembro. O álbum chegou a ser o 5º mais vendido no Reino Unido e o 74º nos EUA, sendo a primeira vez que a banda conseguia pôr um álbum na lista norte americana dos 100 mais vendidos. Chegou a disco de ouro em Fevereiro de 1974 e a disco de platina em Março de 1994.
Em 1987 foi editado em álbum duplo. Em 1994, no Reino Unido e 1995 nos EUA foi editado com uma nova mistura digital. Nenhuma das versões incluía a foto da primeira mulher de Waters que aparecia no disco de vinil original.
A capa do álbum tem variantes entre as versões britânica (e canadense) e a americana. A versão britânica tinha Gigi escrito imediatamente acima do nome da banda, o que foi apagado na versão americana possivelmente devido a questões de copyright.

Disco um: ao vivo

"Astronomy Domine" - (Syd Barrett) - 8:28
"Careful with That Axe, Eugene" (David Gilmour, Nick Mason, Rick Wright, Roger Waters) - 8:47
"Set the Controls for the Heart of the Sun" - (Waters) - 9:22
"A Saucerful of Secrets" - (Gilmour, Mason, Wright, Waters) - 12:49

Disco dois: estúdio

"Sysyphus" (Part 1) - (Wright) - 1:08
"Sysyphus" (Part 2) - (Wright) - 3:25
"Sysyphus" (Part 3) - (Wright) - 1:48
"Sysyphus" (Part 4) - (Wright) - 6:56
"Grantchester Meadows" - (Waters) - 7:28
"Several Species of Small Furry Animals Gathered Together in a Cave and Grooving with a Pict" (Waters) - 4:57
"The Narrow Way" (Part 1) - (Gilmour) - 3:25
"The Narrow Way" (Part 2) - (Gilmour) - 2:53
"The Narrow Way" (Part 3) - (Gilmour) - 5:52
"The Grand Vizier's Garden Party" (Entrance) - (Mason) - 0:59
"The Grand Vizier's Garden Party" (Entertainment) - (Mason) - 7:06
"The Grand Vizier's Garden Party" (Exit) - (Mason) - 0:40

More


Music from the Film More (normalmente apenas chamado "More") é a primeira trilha sonora da banda de um filme completo. O album foi lançado em 27 de julho de 1969. O álbum é constituído por regravações das músicas usadas no filme, muitas vezes de forma diferente. Na critica da revista americana Rolling Stone recebeu duas estrelas de qualidade. Destaque para as múcias "Cirrus Minor", "Green is the Colour" e "Cymbaline".
O filme More foi realizado por Barbet Schroeder.

Todas as faixas creditadas a David Gilmour, Roger Waters, Nick Mason e Rick Wright, exceto onde estiver indicado.Todos os vocais por David Gilmour.

"Cirrus Minor" (Waters) - 5:18
"The Nile Song" (Waters) - 3:26
"Crying Song" (Waters) - 3:33
"Up the Khyber" (Mason, Wright) - 2:12
"Green Is the Colour" (Waters) - 2:58
"Cymbaline" (Waters) - 4:50
"Party Sequence" - 1:07
"Main Theme" - 5:28
"Ibiza Bar" - 3:19
"More Blues" - 2:12
"Quicksilver" - 7:13
"A Spanish Piece" (Gilmour) - 1:05
"Dramatic Theme" - 2:15

Saucerful of Secrets


A Saucerful of Secrets é o segundo álbum de estúdio da banda.
Foi gravado nos estúdios da EMI, Abbey Road Studios, entre Janeiro e abril de 1968, e editado em 27 de Julho e em 29 de Julho no Reino Unido do mesmo ano, nos EUA. Devido ao declínio da saúde mental de Syd Barrett este foi o último álbum do Pink Floyd em que ele trabalhou.
O disco é, talvez, o mais psicodélico da banda e a maioria de suas músicas raramente foram executadas ao vivo. Com apenas alguns destaques, como "Set the Controls for the Heart of the Sun", o álbum não é um dos mais bem cotados da banda, no entanto revela uma faceta diferente daquela que o grupo expressou nos álbuns seguintes."A Saucerful of Secrets" apresenta um teor espacial, com faixas noturnas, sombrias, como "See Saw" de Rick Wright e a faixa que leva o nome do álbum, "A Saucerful of Secrets".


Lado A
"Let There Be More Light" (Roger Waters) - 5:38
Vocais: David Gilmour, Rick Wright e Roger Waters
"Remember a Day" (Rick Wright) - 4:33
Vocais: Rick Wright
"Set the Controls for the Heart of the Sun" (Roger Waters) - 5:28
Vocais: Roger Waters
"Corporal Clegg" (Roger Waters) - 4:13
Vocais: David Gilmour, Nick Mason, Rick Wright e Roger Waters

Lado B
"A Saucerful of Secrets" (David Gilmour/Nick Mason/Rick Wright/Roger Waters) - 11:57
Instrumental
"See-Saw" (Rick Wright) - 4:36
Vocais: Rick Wright
"Jugband Blues" (Syd Barrett) - 3:00
Vocais: Syd Barrett

The Piper at the Gates of Dawn


The Piper at the Gates of Dawn é o primeiro álbum da banda, lançado em 1967.
Foi o único álbum da banda que foi feito sob a liderança de Syd Barrett. O álbum tem letras caprichosas sobre espantalhos, gnomos, bicicletas e contos de fadas, juntamente com passagens instrumentais de rock psicodélico. O álbum foi gravado no Abbey Road Studios, e foi editado em 5 de Agosto de 1967, chegando a ser o 6º mais vendido no Reino Unido e o 131º mais vendido nos EUA.
O título do álbum é baseado no conto infantil O vento nos salgueiros, de Kenneth Grahame, onde o Rato e a Toupeira, enquanto procuram um animal perdido, têm uma experiência religiosa. ("Este é o local do meu sonho, onde eu ouvi a música," segredou o Rato, como se estivesse em transe. "Aqui é o meu local sagrado, se O pudermos encontrar nalgum lado, é aqui"). O flautista (em inglês: piper) é identificado com o deus grego Pan.

Lado A
"Astronomy Domine" – 4:12
Vocais: Rick Wright e Syd Barrett
"Lucifer Sam" – 3:07
Vocais: Barrett
"Matilda Mother" – 3:08
Vocais: Wright e Barrett
"Flaming" – 2:46
Vocais: Barrett
"Pow R. Toc H." (Nick Mason, Wright, Roger Waters, Barrett) – 4:26
Instrumental
Vocalizações: Waters e Barrett
"Take Up Thy Stethoscope and Walk" (Waters) – 3:05
Vocais: Waters e Barrett

Lado B
"Interstellar Overdrive" (Barrett, Mason, Waters, Wright) – 9:41
Instrumental
"The Gnome" – 2:13
Vocais: Barrett
"Chapter 24" – 3:42
Vocais: Barrett
"The Scarecrow" – 2:11
Vocais: Barrett
"Bike" – 3:21
Vocais: Barrett

Uma edição comemorativa dos 40 anos de The Piper at the Gates of Dawn foi lançada em 2007. Uma versão com dois CDs foi lançada no dia 4 de setembro de 2007 e outra versão com três CDs foi lançada no dia 11 de setembro do mesmo ano. A embalagem, cujo design foi elaborado por Storm Thorgerson, tem a forma de um livro com capa de tecido. O conjunto é acompanhado ainda por uma réplica de um caderno de Syd Barrett de doze páginas.Os discos 1 e 2 contêm o Piper na íntegra em mono (disco 1) e estéreo (disco 2). Ambos foram re-remasterizados por James Guthrie.
O disco 3 contém algumas canções da época do Piper que até então permaneciam guardadas nos estúdios Abbey Road. Entre o material inédito estão tomadas alternativa de "Interstellar Overdrive", uma versão antiga de "Matilda Mother" com letra diferente e uma versão estéreo de "Apples and Oranges".
"Arnold Layne" (mix da versão do single; mono) – 2:57
"Candy and a Currant Ban" (mix da versão do single; mono) – 2:45
"See Emily Play" (mix da versão do single; mono) – 2:54
"Apples and Oranges" (mix da versão do single; mono) – 3:05
"Paint Box" (mix da versão do single; mono) – 3:45
"Interstellar Overdrive" (mix de EP francês; mono) – 5:15
"Apples and Oranges" (estéreo) – 3:11
"Matilda Mother" (versão antiga com letra diferente; mono) – 3:09
"Interstellar Overdrive" (tomada alternativa N°6; mono) – 5:03
Todas as faixas desse disco são creditadas a Syd Barrett, exceto "Paint Box" (Rick Wright) e "Interstellar Overdrive" (Barrett, Mason, Waters, Wright).